terça-feira, 28 de maio de 2013

Minha visão capitalista sobre o sistema carcerário brasileiro.

Não se pode negar que o sistema prisional brasileiro é estruturalmente medieval. Porém este não pode ser o argumento a justificar a impunidade, sob a alegação de que tais estabelecimentos são escolas do crime e que não oferecem condições mínimas de respeito à dignidade humana e ressocialização. Há uma nítida omissão do Estado quanto a isso e ele deve ser chamado à responsabilidade, principalmente por órgãos internacionais. Particularmente, defendo a criação de colônias prisionais onde o detento trabalhe para "pagar" o ônus de sua hospedagem, além de somar recursos para indenizar as vítimas ocasionadas e ter um pé de meia para quando cumprir a pena, ser reinserido na sociedade e quem sabe iniciar um pequeno negócio. 

Empresas que optassem por contratar este tipo de mão-de-obra teriam incentivos fiscais e  regime previdenciário diferenciado. Não se trata aqui de privatização da responsabilidade gerencial das cadeias. Se trata em acabar com o ócio. Dar utilidade a uma massa de milhões de enjaulados que passam dias e noites arquitetando ações criminosas e nutrindo dentro de si grande revolta por estarem naquelas condições.

Um comentário:

Sandro Guimarães disse...

Concordo, pois não dá pra continuar da forma que está